br(eat)hing,

Mas você já é magra!

19:31 Drika Rili 0 Comments

Quando alguém fala em anorexia, a primeira coisa em que pensamos é em garotas magras se olhando no espelho e se vendo gordas. Ok, isso foi o que nos ensinaram, mas nem sempre é assim que acontece. Como ocorre com várias outras doenças, a anorexia vem de diversas formas. E, também como acontece com muitas outras doenças, ela não escolhe sua vítima criteriosamente. Nem sempre são adolescentes inseguras, não ocorre só com quem quer emagrecer e ela também vem para homens.
Algumas mulheres seguras e resolvidas guardam a doença como um segredo por medo de julgamentos graças a esse rótulo bobo de ser doença de "garotinhas". O mesmo ocorre com homens, seja por vaidade, por uma meta de vida ou motivos que a maioria das pessoas "de fora" não imaginam. Isso é uma tragédia, pois por vergonha ou medo, a pessoa caminha por uma estrada perigosa e destrutiva, e pior, sozinha. Também não podemos julgar as pessoas que "escolhem" isso como um estilo de vida, elas estão doentes também, só que ainda não quebraram a barreira mais difícil que é assumir. Quem nunca viu alguém viciado em bebida ou cigarro, por exemplo, e que insiste em dizer "eu paro quando quiser"? É quase assim que vivem as Pró Ana e Pró Mia. Algumas realmente gostam disso, mas faz parte da doença e muita gente não entende.
Agora, deixe o moralismo de lado por um momento e responda sinceramente, sem medo de represálias. Se uma pessoa "acima do peso" te falasse que tem anorexia ou bulimia, você acreditaria de primeira? Tudo bem, sem julgamentos, muita gente não acredita antes de um "é verdade, eu estou falando sério!". Isso acontece porque a mídia acha mais chocante mostrar garotas com os ossos causando saliências sob a pele para ilustrar essa "realidade" e, no fim, é isso o que a gente absorve. Mas um rapaz ou uma gordinha pode sim ter anorexia, a doença não escolhe sexo e nem vai mudar o metabolismo de ninguém. As vezes a pessoa luta para não perder peso e não se deixar levar (lembrando que isso é uma doença psicológica e, como as outras, muitas vezes a pessoa tenta sair dela, mas não é tão fácil). Então se alguém, independente da idade, sexo ou tipo físico te disser algo assim, não ignore pois não é fácil assumir que está doente (ainda mais quando muitas pessoas ainda pensam que doenças psicológicas não passam de frescura ou tentativa de chamar a atenção) e provavelmente ela quer pedir sua ajuda ou um apenas um conselho.
Outro grande erro que estamos acostumados a aceitar é que a anorexia só ocorre quando alguém quer emagrecer. Não é sempre assim! Algumas pessoas sabem que já estão magras (acredite, grande parte sabe mas algumas gostam daquela aparência). Existe casos de pessoas que trocam o alimento por outras coisas como o álcool e até as drogas. Eu nem saberia descrever o quão grave isso é, e acho que nem preciso. Em outros casos a pessoa acaba criando uma aversão à comida. Não tem nada a ver com a aparência, simplesmente começa a enjoar de um prato ou outro, corta uma refeição e, quando vê, já está com nojo de comer e parou quase totalmente. As vezes a pessoa nem sabe, está tão ocupada com o trabalho ou outras coisas que nem percebe que não está comendo, começa a acostumar com a fome e lidar com ela, vai enganando o estomago aos poucos e acha que não precisa mais comer, que não vai fazer falta. Entre muitos outros casos, nem sempre se trata de aparência e insegurança.
Assim é a anorexia. Ela pode chegar para qualquer um, talvez isso aconteça com alguém que você conhece mas nem imagina porque ela não tem a aparência "padrão" que estamos acostumados a ver. Mas não custa nada ficar atento àquelas pessoas que nunca comem em público, comem pouco demais ou, quando terminam, imediatamente vão ao banheiro. Isso não é garantia de nada, mas pode ser um sinal. Algumas garotas mais entendidas costumam usar várias pulseiras em um dos braços como um sinal para outras que também podem ter. Muitas vezes essas pessoas só precisam de alguém de confiança para se abrir. Como eu disse, a parte mais difícil é admitir, mas isso pode se tornar mais fácil se houver alguém a quem recorrer, sem julgamentos. Lembre-se, enfrentar uma doença é um pouco menos sofrido quando não estamos sozinhos.

(Não sou médica nem psicóloga, o que eu sei são de coisas que já li e até presenciei. Não me foquei em bulimia pois são doenças diferentes, apesar de muitas vezes se desenvolverem juntas, mas dessa eu não tenho tanta referência. Agradeço a compreensão)

You Might Also Like

0 comentários: